Uma festa: Grand Paris Express

Monitoramento da segurança durante o projeto do século

“Se você teve a sorte de viver em Paris durante a juventude”, Ernest Hemingway notoriamente escreveu, “ela o acompanhará sempre até ao fim da sua vida, esteja onde você estiver, porque Paris é um evento móvel”.

Quando Hemingway viveu em Paris no meio do agito da década de vinte, o metrô da cidade, conhecido como métro (abreviação de Métropolitain), ainda era relativamente novo. A Linha 1, entre Porte de Vincennes e Porte Maillot, foi inaugurada em 1900. Atualmente, mais de um século depois, há 16 linhas; formando uma rede de 302 estações espalhadas por mais de 200 quilômetros.

O métro é o segundo mais movimentado na Europa, atrás apenas da rede de Moscou. A população de Paris continua a crescer, assim como em várias cidades, o que faz com que a rede seja operada no máximo de sua capacidade. É por isso que o sistema está sendo repensado, reprojetado e expandido amplamente, em um projeto chamado Grand Paris Express. Vincent Lamour nos conta mais.

“Grand Paris é o projeto do século”, declara. “Em 20 a 25 anos, mais túneis serão construídos do que nos 100 anos anteriores. E isso está sendo feito na cidade existente, então ele deve se adaptar a ela. Estamos falando de cerca de 200 quilômetros de novas linhas de metrô”.

Lamour é o CEO da Cementys, uma empresa especializada em monitorar projetos de engenharia civil para empresas de construção, proprietários de projetos e empreiteiras. Assim como os parisienses podem ver como o tamanho de sua rede de metrô dobrou, a Cementys mantém um olhar atento à segurança do projeto.

“Haverá um intenso monitoramento de infraestrutura nas áreas próximas e outras redes sensíveis”, afirma Lamour. “O Grand Paris Express envolve primordialmente túneis e estações. Quando se trata de túneis, trabalhamos em solo bastante sensível, causando possíveis desmoronamentos e cavidades. As estações normalmente estão em um nível muito profundo, em alguns casos a 30 metros sob a superfície. As perfuratrizes de túneis passarão a cerca de 20 metros. Nós teremos 20 perfuratrizes de túneis trabalhando no projeto nos próximos anos.”

Isso, como você pode imaginar, traz alguns desafios para a superfície.

“É o projeto do século. Em 20 a 25 anos, mais túneis serão construídos do que nos 100 anos anteriores”.

Vincent Lamour, CEO da Cementys

A corrida em direção aos Jogos Olímpicos

“Tivemos que reagir muito rápido no começo do projeto. Nós tivemos que preparar um sistema de monitoramento de forma imediata. Esses sistemas normalmente precisam ser preparados bem antes do início das obras. Já ficamos um pouco atrasados logo no início”, afirma Lamour. “Outro desafio é o planejamento. Nós tivemos que fazer todo o trabalho dentro de prazos curtos. Os planos também são feitos para os Jogos Olímpicos de 2024, então temos muito pouco tempo para realizar toda a construção. Temos que trabalhar em um ritmo acelerado para dar conta de tudo.

Os sistemas de monitoramento da Cementys são colocados nos edifícios e ao redor deles para monitorar seu movimento durante a construção. Se as obras subterrâneas causarem um movimento minimamente sutil, um alarme será acionado. É um sistema de segurança importante que precisa funcionar em todos os momentos, explica Lamour. “Precisamos de um sistema de monitoramento que funcione, independentemente se houver chuva, neve ou poeira. Estamos próximos aos canteiros de obras, então sempre há poeira. O sistema precisa funcionar 24 horas por dia, 7 dias por semana, em tempo real. Um certo grau de robustez é necessário para esse tipo de monitoramento.”

A precisão é primordial. “O nível de precisão que gostaríamos de ver em dispositivos como Estações Totais deve ser milimétrico. Buscamos ser capazes de medir movimentos XYZ de até mesmo poucos milímetros. As medições são realizadas a cada hora. Nós temos um servidor que coleta todos os dados e cada medição é analisada imediatamente. Se houver algum desvio, um alerta é enviado à empreiteira ou ao proprietário do projeto, dentro de uma hora”.

“As construções que monitoramos normalmente são edifícios adjacentes, próximos aos canteiros de obra, estações ou túneis. Nós também monitoramos antenas, mastros e estradas próximas à construção. É assim que tentamos medir se há subsidência ou se as casas estão inclinando devido à perfuração do túnel. Nós também monitoramos linhas férreas que são afetadas pelas obras, em prol da segurança dos trilhos. As medições nelas são realizadas com muito mais frequência, a cada 20 minutos. Aqui também temos um sistema de alerta. Isso pode interromper os trens quando houver mudanças importantes.”

O proprietário do projeto usa o sistema para assegurar às pessoas que vivem nas imediações que tudo está bem, afirma Lamour. Além disso, é importante gerenciar o canteiro de obras com eficiência: “Por exemplo, a pressão de injeção pode ser alterada com base nos dados. As medições são um elemento essencial do canteiro de obras. É por isso que não podemos nos dar ao luxo de permitir nenhum mau funcionamento. As medições precisam ser confiáveis, pois a construção depende delas”.

“Não podemos nos dar ao luxo de permitir nenhum mau funcionamento. As medições precisam ser confiáveis, pois a construção depende delas”.

Vincent Lamour, CEO da Cementys

Meio milímetro

Os especialistas em monitoramento da Cementys trabalham com as Estações Totais para terem a certeza de que não precisam se preocupar. A Topcon estava envolvida desde o início: “Nós recebemos uma assistência técnica bastante aprofundada. E rápida também”, elogia Vincent Lamour. “Em apenas algumas semanas, integramos as Estações Totais aos nossos próprios sistemas.”

Um colega dele, o engenheiro François Michelin, é o chefe de um dos projetos de monitoramento do Grand Paris Express. “A seção que monitoramos tem uma extensão de cinco quilômetros, com duas estações de metrô e algumas construções subterrâneas”, detalha. “Utilizamos cerca de 30 Estações Totais no projeto para monitorar os edifícios próximos ao local da obra. Nós monitoramos o movimento do solo e fazemos vários cálculos para ver se os edifícios estão se movendo e também se e como estão sendo impactados pelas obras de construção.”

“O proprietário do projeto pede um alto nível de precisão: uma resolução de 0,5 milímetros”, acrescenta. “As estações ficarão em funcionamento por até cinco anos. Nós coletamos os dados das Estações Totais, o dia todo, sete dias por semana. Em seguida, os dados são apresentados em um site onde as pessoas envolvidas podem vê-los em tempo real.”

Uma dessas partes é a SNCF, a empresa ferroviária estatal francesa. “A SNCF quer que monitoremos os trilhos em intervalos de 20 minutos. Nesse tempo, uma Estação pode medir entre 60 e 80 pontos de dados,” explica Michelin. Ele tem boas notícias: “As medições estão estáveis, não há desvio”.

À medida que as perfuratrizes encontram seu caminho subterrâneo, como as toupeiras, o Grand Paris Express está ganhando forma, proporcionando aos passageiros locais um melhor acesso à cidade e tempos de viagem reduzidos. Durante o que realmente poderá ser o projeto do século, Paris está se tornando um evento móvel ainda maior do que Hemingway pode ter imaginado.

More Stories